Uma face triste da ponte: os suicídios

Quase todas as vezes que levo turistas pra Golden Gate, as pessoas me perguntam sobre suicídios. Eu sempre respondo a verdade, que eu nunca ouvi falar e nunca li no jornal uma notícia do tipo “ontem à tarde, uma pessoa pulou da ponte”.  Se é realmente verdade que eles acontecem, são muito abafados, pois nem agora em tempos de twitter,  celular com fotos e filmes, eu jamais ouvi essa notícia em tempo real.

Pois qual não foi minha surpresa ao ler no jornal semana passada, uma notícia sobre a eterna polêmica sobre colocar ou não redes de proteção na ponte. Fui ler com cuidado e fiquei muita surpresa ao descobrir que:

– 46 pessoas tiraram suas vidas pulando da ponte no ano passado. Foi o maior número de mortes em um ano, desde que a ponte foi inaugurada, em 1937.

– As famílias das vítimas acreditam que o acesso fácil, facilite o “suicídio por impulso”

– Mais de 1.600 pessoas cometeram suicídio pulando da ponte desde a sua criação, em 1937.

– Em 2008 foi aprovado um projeto para instalação de uma rede de segurança na ponte, mas que acabou não acontecendo porque são necessários U$ 45 milhões pra construção.

Não é chocante? Nunca imaginei que os números fossem altos assim. 46 por ano? É quase um suicídio por semana? Como não ficamos sabendo disso nunca? Pena que um lugar tão lindo e inspirador, seja palco de tragédias como essas.

10 ideias sobre “Uma face triste da ponte: os suicídios”

  1. Maryanne, obrigada pela gentileza da resposta. Era isso mesmo que queria saber. Pensei que tivesse horário específico para a travessia, cheguei a pesquisar, mas não havia encontrado nada. Assim, vou de ferry para Sausalito, almoço no F3 e volto a pé pela ponte.
    Nem é preciso dizer que adorei, devorei o blog e montei a viagem com ele do lado. Congratulations!
    O Bouchon já está reservado, seguindo sua sugestão. Vou ver se consigo ir ao Chez Panisse. Uma pernoite em Santa Bárbara também está garantida.
    HotelCalifórniablog foi inspiração total!
    Grande abraço.

  2. Oi Mia, vc pode atravessar a poe em qq horario, esta sempre aberta aos pedestres, nao tem problema nenhum. Nao sei se entendi sua pergunta…. bj, M

  3. Bom dia,Maryanne.
    Informação como essa sempre é preocupante e me causa muita tristeza, não exatamente pelo fato de se jogar da ponte, mas o que move ( deve ser uma dor profunda!) uma pessoa a tirar sua própria vida!
    Sei que não é bem dentro do tema, fico até um pouco constrangida, mas como foi a última postagem, me vi na contingência de lhe solicitar infrmações neste espaço.
    No meu caso, quero atravessar a ponte a pé, para sentí-la por inteiro. Já consegui informações sobre como chegar até lá, mas a dúvida me veio em relação aos horários permitidos para a travessia. Quero chegar até Sausalito,
    reservei o restaurante indicado por vc , o F3. Faltam, portanto, os ajustes em relação aos horários. Seria possível uma ajuda sua neste sentido?
    Aguardo e desde já lhe agradeço.

  4. Marcos, vou procurar esse documentario. Apaguei sem querer um comentario que dizia que os casos sao abafados para que nao se repitam. Faz sentido. Bj, M

  5. Cara Maryanne .
    Estes casos de suicídios que ocorrem na Golden Gate Bridge, é sem duvida um amplo e intrigante caso a ser devidamente estudado por pesquisadores interessados.
    Se você puder me enviar o nome do jornal que publicou esta matéria.
    ficarei muito grato
    um abraço
    Aldo

  6. Há um documentário que fala sobre os suicídios cometidos nesse lugar. Chama-se ” A ponte”. Mostra várias pessoas pulando dali.

  7. Uma triste realidade de todas as grandes pontes do mundo. Aqui em Vitória/ES é a mesma coisa, com números ainda maiores. 🙁

  8. Realmente, um lugar tão emblemático deveria servir de fonte para se recarregar suas energias, para que façam suas meditações e usem o lugar para “por a cabeça no lugar”. Aproveitar o cenário e a paz que o lugar oferece.
    Mas… nós que não temos essa pretenção, vamos continuar admirando e gostando muito desse lugar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *