Roteiro do Fred, parte 4 – HW1

E seguimos nossa viagem com o Fred e a Ana; dessa vez, pela HW-1, uma das estradas mais lindas do mundo. O Fred é só mais uma testemunha disso.  🙂
“Saímos pela manhã de Yountville, rumo à Highway 1.  Resolvemos cruzar a Bay Bridge, já que tínhamos atravessado apenas a Golden Gate durante nossa estadia em SF. Pra tudo correr redondo, fizemos como Jack e alimentamos o GPS por partes: primeiro Carquinez Bridge, depois Berkeley e em seguida Bay Bridge.

A partir de SF, alguns preferem adiantar a viagem pela auto-estrada e pegar a costeira mais na frente. Como estávamos sem pressa, fizemos questão de ver o mar desde o início: digitamos Pacifica no GPS, depois Half Moon Bay e Pigeon Point Lighthouse, onde descemos do carro pela primeira vez naquele dia.

Ainda era verão, céu limpinho, mas o vento no farol era cortante. Pra piorar, Ana deixou dentro das malas a sua parka (aquela comprada em SF). Nossa coragem foi recompensada pelo visual do lugar e pelas bonitas fotos que tiramos. Nos dias seguintes, a parka viajou juntinho da gente, sempre ao alcance das mãos.

Continuamos até Carmel, sem paradas, a não ser pra o lunch num Burger King de beira de estrada. No final da tarde, chegamos ao hotel Pinne Inn.

Nossa reserva pelo Booking dizia: “Estacionamento gratuito e privativo disponível no local (não necessita de reserva)”. Depois de descarregar as malas e fazer o check-in, levei o carro ao estacionamento do hotel. Ops, lotado! Voltei e reclamei com o staff do Pine Inn, mas não houve jeito. Tive que dar algumas voltas nas imediações, até que encontrei uma vaga num estacionamento público (gratuito).

Aos poucos, o hotel foi aplacando meu desapontamento inicial com suas boas acomodações, a melhor localização da cidade e até com o café da manhã oferecido para os hóspedes, não previsto na reserva.

No dia seguinte, percorremos lentamente a 17 Mile Drive, apreciando seus campos de golfe e vista points. Saímos pelo Pacific Grove Gate e chegamos em Monterey. Visitamos o aquário, absolutamente diferenciado de todos que já tínhamos visto. Comemos camarões no Bubba Gump e caminhamos na Cannery Row. Quer saber? Visite Monterey, com certeza, mas fique na caprichada Carmel.

Lonely Cypress, um dos pontos mais bonitos da 17 Mile Drive

Lonely Cypress, um dos pontos mais bonitos da 17 Mile Drive

Chegou, finalmente, o dia de percorrer a Big Sur e o tempo estava ajudando muito. Paramos em vários e vários mirantes, tantos que só mais tarde descobri que alguns deles na verdade são acostamentos feitos pra servirem de retorno (“Turn Around”), já que a estrada é estreita. Felizmente, até agora não chegou nenhuma multa (rsss).

O problema da HW1, é que você quer parar o tempo todo, em todo lugar!

O problema da HW1, é que você quer parar o tempo todo, em todo lugar!

Fomos percebendo, também, que é impossível parar em todos os mirantes e ficamos somente com aqueles mais movimentados. Outra boa ideia é não passar direto naqueles que estão sinalizados, que geralmente são os melhores. Fique de olho nas placas de “Vista Point”.

SAM_0650_Fotor

Chegamos no final tarde no pequeno e familiar Garden Street Inn, em San Luis Obispo. Recebemos da simpática manager (talvez fosse a proprietária) três chaves, daquelas convencionais, de enfiar na fechadura. Uma era da porta do quarto, outra do trinco de segurança (!?) e a terceira da porta principal do hotel, para o caso de voltarmos depois das 21 horas. Claro que usamos!

Na manhã seguinte, depois de um simpático breakfast on demand, incluído na diária, partimos para as vinícolas do Santa Ynez Valley.

Começamos pela Fess Parker Winery, na Foxen Road, onde o personagem Miles, do filme Sideways, resolveu afogar suas magoas e entornou aquele balde onde as pessoas cospem os vinhos degustados. Mas encontramos tudo limpinho e tranquilo no salão de tastings da Fess Parker. Acho que até tiraram definitivamente o balde de lá! Rsss.

SAM_0680_Fotor

Ainda no clima de Sideways, visitamos a Andrew Murray Vineyards Winery, almoçamos no Los Olivos Café & Wine Merchant, jantamos no Hitching Post II e dormimos na dinamarquesa Solvang.

Seguimos viagem no outro dia, passando inicialmente na bonita Santa Barbara. Entramos de carro no pier, de onde se tem uma vista bacana da cidade, emoldurada pelas montanhas ao fundo. Depois estacionamos nas imediações da estilosa State Street e exploramos um pouco suas calçadas e lojas. Almoçamos por lá, pegamos o carro e visitamos a preservada Old Mission, antes de continuarmos viagem até o Camarillo Premium Outlets. Mesmo com o dólar estratosférico, encontramos algumas coisinhas com preços bons.

Depois rumamos para Los Angeles, que fica para o próximo (e último) post da nossa viagem!”

Veja o roteiro completo do Fred nesses posts aqui:

Roteiro do Fred – Las Vegas

Roteiro do Fred – São Francisco

Roteiro do Fred – Napa Valley

7 ideias sobre “Roteiro do Fred, parte 4 – HW1”

  1. David, SLO e SB são muito próximos. Depende do que vc gosta mais, SLO é uma cidade menor, bem bonitinha também, mas menor que SB. Vai depender do que vc preferir. abraço, M

  2. Estou viajando pela California e gostaría de saber o que me aconselham para o trajeto SF > LA em 2 noites e 3 dias:

    1º dia: SF > Carmel
    1ª noite: Carmel
    2º dia: Carmel > Big Sur > San Luis Obispo
    2ª noite: San Luis Obispo
    3º dia: San Luis Obispo > Santa Bárbara > LA

    OU

    1º dia: SF > Carmel
    1ª noite: Carmel
    2º dia: Carmel > Big Sur > San Luis Obispo > Santa Bárbara
    2ª noite: Santa Bárbara
    3º dia: Santa Bárbara > LA

  3. Bruna, os vista points estão do lado do oceano, então a lógica é fazer a estrada no sentido SF-LA. Se vc está fazendo ao contrário, os vista points estarão do seu lado esquerdo e estarão sempre lotados.
    É só prestar atenção e fazer o retorno. Nos EUA é permitido fazer a U turn. bj, M

  4. Bruna, quem percorre a HW1 no sentido SF-LA tem mais facilidade para entrar e sair dos mirantes, que estão todos à direita. No seu caso, que vai percorrer a estrada no sentido LA-SF, é só ter um pouco mais de atenção na hora de entrar e sair dos mirantes, que estarão à esquerda. Mas isso não chega a ser um problema! Existe sinalização dos Vista Points nos dois sentidos. Boa viagem!

  5. Mary e Fred, que delícia poder ler estes roteiros e ficar cada vez mais ansiosa para minha viagem!

    Tenho uma dúvida rápida. Também farei a HW1, mas de LA para SF, e queria saber se estes “Vista Points” também são localizados. Já li em algum lugar que as melhores vistas e mirantes são no sentido SF – LA, mas que tem como retornar para parar neles. Só queria saber se é localizado mesmo, para podermos visitar alguns!! Beijos

  6. Olá! Eu fiquei hospedada nesse mesmo hotel em Carmel, o Pine Inn, e que decepção, mas não foi porque eu quis não, foi por falta de opção mesmo. Deixei para reservar hospedagem em Carmel em cima da hora da viagem e no mesmo final de semana que eu estaria lá, iria acontecer a Maratona do Big Sur, então a cidade estava lotada, tanto Carmel quanto Monterey. Aí ficamos sem opção de hospedagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *