A viagem da Amélia em Monterey e Carmel com crianças – parte II

Aqui vai a segunda parte do viagem da Amélia! Agora em Monterey e Carmel com crianças , e a volta por São Francisco.

Monterey e Carmel com crianças

Carmel

“Depois, o ponto máximo da viagem para mim: Carmel. Que fofura!! Eu poderia morar lá tranquilamente. Casinhas lindas, galerias de arte, restaurantes, cafés, flores, fontes… Se não bastasse tudo isso, a praia linda, com aquelas árvores retorcidas que parecem de outro mundo, a areia clara e macia. Foi aí que terminamos o dia, felizes. Jantamos no Hog’s Breath Inn: ambiente agradável e comida gostosa.

Monterey Bay Aquarium

No dia seguinte, fomos visitar o Monterey Bay Aquarium. Confesso que, depois daquele aquário belíssimo da Academy of Sciences, ficamos na dúvida se valia a pena. Mais um aquário? Será que não vamos nos decepcionar? Não será mais do mesmo? Fomos, afinal quando voltaríamos lá novamente? E valeu muito a pena.

O edifício é mais antigo, a água dos tanques mais turva, mas alguns diferenciais fazem do local uma experiência única: é ainda mais voltado para crianças, com vários espaços interativos e atividades para elas; tem um polvo avermelhado e simpático que parece querer brincar com os expectadores; vários monitores prontos para dar informações sobre os animais; uma área especial para as água-vivas, de todos os tipos que se possa imaginar, e muito mais.

Por acaso, era hora de um show com milhares de sardinhas que se movimentam juntas como em um balé aquático. Lindo! Em Monterey, almoçamos no Bubba Gump, super turístico, mas simpático.

Falamos um pouco sobre o Forrest Gump para a Beatriz, pois há várias referências ao filme espalhadas pelo espaço, e ela ficou curiosa. As meninas adoraram que a comida delas veio dentro de um barquinho de papel, com gelatina para a sobremesa.

No aquário de Monterey. Foto: Amélia Alsina

No aquário de Monterey. Foto: Amélia Alsina

Big Sur

À tarde, passeamos de carro para ver as vistas deslumbrantes do Big Sur. O céu abriu bem nessa hora, como um prêmio, mas, por confusão minha, não percorremos a 17 Miles Drive. Fica para a próxima… No final da tarde, marido e filhas ficaram no hotel, cansados das andanças, e eu fui, sozinha, explorar aquelas ruazinhas lindas uma a uma; e principalmente fui à procura das fairy cottages, construídas por Hugh Comstock’s. Não sossegaria enquanto não as visse de perto. Imperdível! São várias, e há mapas com o percurso para encontrá-las.

Como esqueci de imprimir o mapa e fiquei com um certo medo de andar sozinha por essa parte menos movimentada da cidade, encontrei apenas as duas principais. Tão lindas, bem cuidadas e cheias de detalhes delicados espalhados pelos jardins ao redor: casinhas de pássaros, fontezinhas, flores, penduricalhos. Uma verdadeira viagem aos contos de fadas de que eu, perto dos 40 anos, me dei o direito de desfrutar sozinha, sem as crianças.

Ficamos hospedados no Best Western Carmel Town House Lodge: quarto super apertado, café da manhã muito fraco, em um espaço super apertado. Não recomendo, principalmente com crianças!

As fairy cottages e Carmel Beach - Foto: Amélia Alsina

As fairy cottages e Carmel Beach – Foto: Amélia Alsina

Volta para São Francisco

No dia seguinte pela manhã, voltamos para São Francisco, pois meu marido queria passar o aniversário dele lá. Fomos direto para o Ferry Building. Andamos pelo pier, pelas lojinhas gourmet e pela feirinha que funciona lá mesmo aos finais de semana. Almoçamos no The Slanted Door, onde comi um camarão delicioso! Depois, fomos para o W hotel, que, apesar de super moderninho, nos decepcionou um pouco – as camas são super apertadas, não tem café da manhã, fizeram a maior confusão com os cartões de crédito na hora do check in. Achamos que nada mais era do que aparência.

Uma coisa é verdade: fica super bem localizado, bem em frente ao Yerba Buena Gardens, um a praça pequena, super charmosa, com vários museus ao redor. Tem o Children’s Creativity Museum, mas não deu tempo de ir (acho que as meninas iriam gostar). Observamos que tinha bastante morador de rua nessa área… Como era um dia especial, jantamos no Quince: muito elegante, serviço eficiente e correto e a comida gostosa e bem elaborada.

Para isso, contamos com a ajuda de uma baby-sitter brasileira, a Telva, que fez toda a diferença. Ela foi indicada por um colega de trabalho do meu marido que mora na cidade, a recomendou bastante e realmente funcionou: ela foi super querida e profissional, chegou no horário combinado e tomou a iniciativa de mandar mensagem avisando que as meninas já tinham dormido. Aliás, destaco a atenção dada à crianças em toda a viagem.

Restaurantes

Quase todos os restaurantes ofereciam kids menu, e os que não tinham não hesitavam em preparar algo mais simples para elas. Em Sonoma e em Carmel, quase todos deixavam giz de cera sobre a mesa para as crianças desenharem na própria toalha de papel; ofereciam também copos de plástico, com tampa e canudinho, alguns coloridinhos. O do Bubba Gump, cheio de peixinhos… Pequenos detalhes que fazem a diferença!

Nosso voo de volta era por volta das quatro da tarde, então, de manhã, deixamos o hotel e ainda visitamos a Legion of Honor. O museu, com um campo de golfe verdinho e bem cuidado atrás e vistas lindas para o mar e a Golden Gate (nesse dia, escondida pelo fog), tem várias esculturas de Rodin, quadros de Monet e porcelanas maravilhosas.

Ainda visitamos uma exposição temporária com obras dos mais importantes pintores impressionistas e, na sala ao lado, obras de Matisse, que eu adoro! Com a agitação das crianças, ficou difícil de explorar em detalhes toda aquela riqueza.

Ficamos com gostinho de quero-mais (dava pra ficar o dia todo lá observando tudo mais atentamente, lendo, aprendendo), mas vida de pai e mãe é assim mesmo. É um processo; abrimos mão de visitar como queremos agora para depois, com o tempo, elas aprenderem a visitar os museus mais tradicionais da maneira delas. Passeamos ao redor, por aquela paisagem verde, viva, e fomos para o aeroporto, onde entregamos o carro e pegamos o avião de volta.

Agora cá estamos, de volta à nossa casa, no calor abafado do verão de Nova Iorque, ainda cansados e com o fuso revirado, mas renovados e já com saudades da Califónia, esse lugar tão especial, peculiar e eclético dos Estados Unidos. Tanto ficou por ver… Garantia de que queremos voltar um dia!”

Super obrigada pelo relato Amélia. Tenho certeza que as mamães vão amar! O nome da baby sitter é Telva e o telefone é (415) 823-8771 / (415) 823-8771

Uma ideia sobre “A viagem da Amélia em Monterey e Carmel com crianças – parte II”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *