Entrevista em reportagem sobre Napa

Depois de 10 anos escrevendo esse blog e 5 anos fazendo tours pela região, poucas coisas me deixam tão feliz e realizada, quanto ser entrevistada e reconhecida como uma autoridade no Vale de Napa. Leiam a minha entrevista em  reportagem sobre Napa e comemorem comigo!

entrevista em resportagem sobre Napa

A menos de duas horas dos arranha-céus de São Francisco, no norte da Califórnia, encontramos uma verdadeira obra de arte: inúmeros vinhedos a céu aberto, numa paisagem deslumbrante. As imagens de tirar o fôlego são do Vale de Napa, uma região que recebe quase cinco milhões de turistas por ano. É o segundo destino mais visitado da Califórnia, atrás apenas da Disney. Se as paisagens atraem, as vinícolas e a boa gastronomia convidam para ficar. Um dia ou um fim de semana são suficientes para conhecer o Vale doNapa. Mas para os apaixonados por vinho, este tempo pode ser curto, já que na região encontram-se mais de 300 vinícolas.

VINHAS COM HISTÓRIA

O climamediterrâneo e a geografia da Califórnia não passaram despercebidas aos colonizadores espanhóis que chegaram à região. Os primeiros registros de plantações de uvas datamdo século XVIII. Alguns anos mais tarde, em1854, o inglês John Patchett cultivou a primeira plantação de uvas para produção comercial de vinho. Em 1858, ele abriu a primeira vinícola. De lá para cá, mais de 100 variedades de uvas são plantadas na Califórnia, desde francesas, italianas, espanholas, assim como espécies híbridas. O sucesso das plantações e vinícolas,entretanto, não chegou do dia para a noite. A produção só conquistou o gosto e o respeito  internacional na década de 1970. O filme ‘O Julgamento de Paris’ retrata o despontar da regiãono cenário internacional. Vale a pena ver! O filme mostra a degustação que abalou o mundo dos vinhos, em 1976, colocando a Califórnia no cenário internacional.

entrevista em resportagem sobre Napa

Onde fica? Norte da Califórnia

Como chegar? DE AVIÃO – SFO (São Francisco); OAK (Oakland); SJC (San Jose) DE CARRO – Desde São Francisco: I-80 E.

Especialidade:Vinho Cabernet Sauvignon

O que fazer? PASSEIOS AO AR LIVRE

Tour pelas vinícolas (com ou sem degustação), passeios de bicicleta ou balão, cavalgadas ou até caiaque.

PASSEIOS GOURMET The Culinary Institute of America at Greystone; V Marketplace; Oxbow Public Market, entre outros.

Quando visitar? O clima na Califórnia é temperado, então qualquer época do ano é recomendável.

Se você tem pavor da Macy’s no Black Friday, evite o verão. É bem cheio!

O outono e a primavera são excelentes temporadas. Em setembro e outubro acontece a colheita das uvas. Em maio,

aprecia-se a mudança de cores nos vinhedos. Lindíssimo!

Quanto custa? De 50 a 1 000 dólares

Alguma dica? Há cupons disponíveis, claro! Uma página legal é ‘Napa on a Budget’! Para dicas em português, o Hotel Califórniaentrevista em resportagem sobre Napa

TRILHOS IMPERDÍVEIS

Começamos nosso passeio na rodovia 29, que liga a cidade de Napa à Calistoga. A rodovia tem apenas 29milhas (46 km), e plantações de uva e muitas vinícolas de ambos os lados. O Vale de Napa não se resume a uma cidade, mas a uma região que inclui Napa, Yountville, Oakville, St. Helena, Calistoga, entre outras cidades. Outra opção de passeio é conhecer a região desde o Napa Valley Wine Train. O trem leva o passageiro de Napa a Santa Helena (ida e volta), numa viagem que dura três horas e percorre os mais famosos vinhedos. Até os trilhos têmHistória. O primeiro milionário de São Francisco, Samuel Brannan, mandou construir a linha em 1864, para levar convidados especiais à um resort da cidade de Calistoga. Cem anos depois, a rodovia 29 foi construída ao lado da estrada de ferro. Para quem não tem medo de altura (nem preguiça de acordar cedo), o passeio pela região pode ser feito de balão. Apesar do preço parecer um pouquinho salgado, por volta dos 230 dólares por pessoa, por 50 minutos de voo em média, esta é uma das atrações turísticas mais requisitadas. O passeio começa às 6h da manhã, com o nascer do sol, e percorre toda a região. Quem fez, garante que vale cada centavo e que a vista de cima é deslumbrante! “Acordei às 4h30 da manhã para chegar a tempo. Eles servem um lanchinho antes de sairmos e nos levam até a área de embarque. Firmamos vários documentos e aí é só alegria. São umas 15 pessoas dentro do balão, mais o condutor e o equipamento. Espetacular! Não temoutra palavra que define melhor a vista do pôr-do-sol e dos vinhedos de cima”, conta Orlando Costa.

Nem sempre o tempo está bom para levantar voo, o que pode ser um pouco frustrante (ainda mais para quemmadrugou). Mas segurança em primeiro lugar, né? As empresas que prestam o serviço normalmente mantêm o cliente avisado das condições climáticas com antecedência. Dica: reservar é obrigatório.

IDEIAS DE ROTEIROS

Maryanne Mc Darby é carioca de nascimento e paulista de coração. A simpática empresária mora no norte da Califórnia há 15 anos e desde 2012, organiza tours em português para o Napa Valley. Autora do ‘Hotel California Blog’ que dá dicas sobre turismo no norte do Estado, ela nos ajudou a preparar três sugestões de roteiros e ainda fez uma lista do que ‘fugir’ quando visitar a região.

Se você é um verdadeiro apreciador de vinhos e dinheiro não é problema, aí vão algumas opções: “A Robert Mondavi Winery é uma parada quase obrigatória. Faça um “Signature and taste tour” de 1h30. Esta vinícola é muito importante pela história de Robert Mondavi, que foi quem teve a percepção e visão do que o Napa Valley poderia se tornar. Participe de uma degustação na ‘Opus One’ ou na Joseph Phelps. Outra vinícola bacana é a Inglenook, do Francis Copolla. É linda! Vale a pena visitar e tem um Cabernet Sauvignon fantástico”, recomenda Maryanne.

Para quem está disposto a extravasar no orçamento, o ideal é dormir pelo menos uma noite na região. “Sugiro Yountville. A cidade é uma graça e tem hotéis maravilhosos como o Villagio Inn, o Bardessono ou o Hotel Yountville (diárias entre 500 e 900 dólares). A vantagem de dormir na cidade é que você não precisa dirigir depois de uma bela refeição e muito vinho, pode ir caminhando ao hotel”, diz Maryanne. Para comer, reserve com até seis meses de an-tecedência um jantar no The French Laundry (Yountville), do badalado chef Thomas Keller. O restaurante, com três estrelas Michelin, é considerado um ícone gourmet do Vale de Napa. O jantar sai a 250 dólares por pessoa, sem bebida incluída. Ou seja, a refeição pode facilmente ultrapassar os três dígitos. São nove pratos servidos em até cinco horas. Para quem aprecia algo excepcional, ganhou na loteria ou tem um supertrabalho na área de tecnologia, é uma boa opção. Se você quer comer bem, sem gastar o aluguel do mês, o Bouchon Bistro é uma opção mais casual com um preço mais acessível. Vamos dizer que é o restaurante low cost do Thomas Keller. Detalhe: até o low cost dele já ganhou uma estrela Michelin.

entrevista em resportagem sobre Napa

NAPA LOW COST

Por falar em low cost, vamos a um roteiro mais acessível? Afinal, ganhar dinheiro na América não é fácil, né? Então nada melhor que buscar opções deliciosas que não pesam no bolso. Boa notícia: dá pra curtir o Vale de Napa (quase) sem dinheiro!  Uma boa ideia de passeio é um piquenique no meio dos vinhedos. “Há boas vinícolas com área de piquenique. O único é que elas exigem que você compre a comida e o vinho lá. Mas não é caro. Uma baguete com queijo e vinho sai a umpreço bem razoável”, conta Maryanne, que preparou um post recente sobre o assunto. Para quem está como orçamento apertado, ela também recomenda a Robert Mondavi Winery, que tem um tour mais caro, mas outros mais em conta. “Uma boa opção pra quem quer gastar menos é uma degustação nas vinícolas de espumantes. A Mumm e Domaine Carneros são ótimas opções”, completa.

Fotos não têm preço. Então não deixe de fazer alguns takes na placa de Napa (Napa) ou no Castello di Amorosa (Santa Helena). O castelo não tem lá uma longa história: foi construído em 1994, mas tem uma arquitetura típica da Toscana do século XIII. Para tirar fotos em frente ao castelo, não custa nada.

entrevista em resportagem sobre Napa

NAPA PARA TODOS

Se você não tem a menor ideia do que é Cabernet Sauvignon, Merlot, Primitivo ou Sangiovese, não sabe muito a respeito de uvas, vinhos ou até mesmo não aprecia a bebida, não tem problema nenhum. Napa também tem opções pra você. O ambiente e as paisagens já fazem a viagem valer a pena. Neste caso, desfrute do ambiente romântico, aprecie a boa gastronomia e faça um passeio pela cidade de Yountville. O centro é bem charmoso! O V Marketplace é um must-see. O Oxbow Public Market, em Napa, também é uma boa parada. “Passear pelo centrinho de Santa Helena, nas lojas, também vale a pena”, conta a blogueira. Maryanne preparou uma lista também do que ela chama de ‘micos’ de Napa. O passeio de trem talvez seja mais recomendável para um público que quer aproveitar unicamente a vista e a paisagem. Num lugar com vinhos tão maravilhosos, o ideal é desfrutar de boas degustações nas próprias vinícolas e de todas as excelentes ofertas gastronômicas”, diz. O transporte público também entrou na lista do ‘fuja’. “Você vai levar um dia inteiro indo e vindo, e não vai conseguir se locomover entre uma vinícola e outra. Melhor alugar um carro ou contratar um tour privado. Lembrando que uma pessoa do grupo não pode beber, para poder dirigir”, finaliza a autora.

Reportagem publicada pela Revista Share, dezembro 2017

Autora: Dayse Espindola

Quer conhecer Napa comigo? Clique aqui

3 ideias sobre “Entrevista em reportagem sobre Napa”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *