O Gourmet Ghetto de Berkeley no Estadão de hoje

Logo de manhã quando abri minha caixa de mensagens, emcontrei um e-mail do meu irmão, antenadíssimo no blog, avisando  “Tem matéria sobre Berkeley no caderno de turismo do Estadão de hoje.” Fui lá conferir e até fiquei sabendo que agora existe um tour pelos restaurantes do Gourmet Ghetto. Já vou agendar o meu  e depois conto como foi.

Segue aqui a matéria completa do Estado de SP de hoje, com a foto de divulgação deles:

O gueto gourmet da pequenina Berkeley:

Restaurantes bacanas concentram-se num só bairro

O Estado de S.Paulo, 24 de março de 2009

A gastronomia rouba a cena em Berkeley, uma pequena cidade no norte da Califórnia, nos Estados Unidos. Se antes a fama de liberal e arrojada e a vocação acadêmica – o principal campus da Universidade da Califórnia está lá – atraíam turistas interessados em arte e cultura, agora, a boa mesa servida em bares e restaurantes badalados tem sido um item a mais a chamar a atenção dos visitantes.

chez-estadaoweb

Irresistível: menu do Chez Panisse muda todos os dias conforme os ingredientes frescos da época

Berkeley tem até um bairro dedicado à cozinha dos quatro cantos do globo. Peça para o motorista do táxi parar em North Shattuck, ou Gourmet Ghetto.

O parque gastronômico recebeu esse apelido, claro, por causa da concentração de bares e restaurantes da moda. E logo virou atração turística, a ponto de a Comissão de Viagens e Turismo da Califórnia (CTTC, em inglês) criar um tour por lá.

O passeio é guiado por profissionais do mundo da culinária e passa pelos mais disputados estabelecimentos. O turista tem encontro marcado com os chefs. Depois, degusta pratos de diferentes nacionalidades e ouve histórias curiosas.

O Chez Panisse (www.chezpanisse.com) é básico em qualquer roteiro. Fundado por Alice Waters em 1971, foi um dos primeiros a abrir no Gourmet Ghetto. O menu muda todos os dias, de acordo com os ingredientes mais frescos do mercado. Carne, peixe e frango nunca faltam. O café, no piso superior, vende pratos mais leves.

Na Walnut’s Square, os destaques são os cafés e chás do Peet’s Coffee & Tea (www.peets.com). A casa funciona desde 1966 como um ponto de encontro dos intelectuais da cidade. Outro lugar irresistível é o francês Gregoire’s (www.gregoirerestaurant.com). Não tem erro: peça o Crispy Potato Puffs.

Mas guarde espaço para provar também o pastrami nova-iorquino da Saul’s Delicatessen, a pizza do Cheese Board Collective, os doces do Alegio Chocolate, o sorvete do Ciao Bella…

O tour ocorre às quintas-feiras, das 14 às 17 horas, e custa US$ 60 (R$ 138). Reservas: www.inthekitchenwithlisa.com/reservations.htm

Mais Berkeley e o Gourmet Ghetto no Hotel California

Meio dia em Berkeley

Um dia em Berkeley

Chez Panisse Café

Mais Gourmet Ghetto no Chucrute com Salsicha

The Cheeseboard

Masse’s pastries

4 ideias sobre “O Gourmet Ghetto de Berkeley no Estadão de hoje”

  1. Pingback: Berkeley Estados Unidos USA EUA
  2. Oi Fernando, SF é uma cidade muito legal mesmo, mas vc nao veio preparado pro vento? Deve ter sofrido bem. Meu marido ja foi ao Quince e sempre falamos em ir pra eu conhecer mas acaba nao rolando. Vou anotar.
    Vc pode me mandar seu roteiro? Assim eu publico no blog. Tem sempre gente me perguntando a respeito.

  3. Estou de volta a Sampa, por hora só o corpo. A cabeça está chegando, se deus quiser. Quero agradecer ao blog pela dicas muito úteis. Aos poucos vou contando minhas experiências, até porque foi tudo muito intenso, mas posso dizer que SF entrou na lista Top 10 de lugares do mundo. Que cidade sensacional. Mesmo passando frio (que vento é esse?), curti cada segundo. E Maryanne, se você ainda não foi, vá ao restaurante Quince. Uma noite inesquecível. Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *